jusbrasil.com.br
19 de Novembro de 2018
    Adicione tópicos

    Operação Carmelina desarticula grupo criminoso em Passo Fundo

    Operação Carmelina desarticula grupo criminoso em Passo Fundo A operação em Passo Fundo... O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público, em conjunto com a Polícia Federal, desencadeou na manhã desta sexta-feira, 21, a “Operação Carmelina”, que desarticulou grupo criminoso que operava através de um escritório de advocacia em Passo Fundo, responsável por apropriações indébitas provenientes de clientes que ingressaram com ações judiciais contra uma empresa de telefonia.

    Durante a ação foram cumpridos oito mandados de busca e apreensão. Um mandado de prisão preventiva contra o Advogado Maurício Dal Agnol, responsável por articular a associação criminosa, ainda foi expedido pela Justiça. As investigações apontam que os valores apropriados indevidamente somam, aproximadamente, R$ 1,6 milhão. Conforme as apurações do MP e da Polícia Federal, o escritório de advocacia - por meio de procurações - se apropriava de créditos de clientes que ajuizaram ações na Comarca de Passo Fundo. Os delitos foram praticados, em sua maioria, contra pessoas com poucos recursos financeiros e idosos.

    O Subprocurador-Geral de Justiça para Assuntos Jurídicos, Ivory Coelho Neto, e o Coordenador do Gaeco, Promotor de Justiça Gerson Daiello, prestaram apoio ao trabalho dos Promotores de Passo Fundo Álvaro Poglia, Marcelo Juliano Silveira Pires e Júlio Balardin na operação. O Superintendente da Polícia Federal do RS, Sandro Caron, também acompanhou os trabalhos. No decorrer da ação, Ivory Coelho Neto destacou que a “Operação Carmelina” deve-se à atuação conjunta e harmoniosa entre o Ministério Público e a Polícia Federal. “Estamos prestando apoio institucional aos Promotores de Passo Fundo, que atuaram no sentido de desarticular este grupo criminoso”, afirmou.

    DENÚNCIA

    Após o desenvolvimento do inquérito da PF sobre o caso, a Promotoria de Justiça de Passo Fundo denunciou Maurício Dal Agnol; Márcia Fátima da Silva Dal Agnol (esposa de Maurício e que coordenava o escritório de advocacia); Pablo Geovani Cervi (Advogado que colaborava na captação de clientes); e Vilson Belle e Celi Acemira Lemos (responsáveis por aliciarem clientes para outorgaram procurações aos advogados da associação criminosa). A denúncia foi assinada pelos Promotores de Justiça Álvaro Poglia, Marcelo Juliano Silveira Pires e Júlio Balardin.

    A operação foi intitulada “Carmelina” por ser o nome de uma das vítimas do esquema, idosa que faleceu sem receber mais de R$ 100 mil que lhe caberiam.

    O Subprocurador Jurídico, juntamente com os Promotores de Justiça e os Delegados Federais irão prestar mais esclarecimentos sobre a ação na tarde desta sexta-feira, às 14h, na sede da Polícia Federal em Passo Fundo.

    ...buscou documentos no... ...escritório de advocacia Ivory Coelho Neto (D) e Promotores de Passo Fundo

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)